Vila Primeira da Ilha do Pico. Vila baleeira dos Açores. Mar e Terra cruzam-se numa História de 500 anos.

02
Abr 11

Após alguns dias de vento e de chuva, o suficiente para o aeroporto fechar e arredar esta Ilha do arquipélago e do mundo, voltou o bom tempo.

São assim estas ilhas. Mesmo assim, há cada vez mais revistas especializadas a considerar o arquipélago como um destino com grandes potencialidades, beleza e uma natureza limpa.

Por aqui, esperamos que este ano tenhamos mais visitantes.

 

Esperamos... mas será que temos feito o que devemos para atrair mais visitantes?

Ou aguardamos que os turistas venham até nós, sensibilizados apenas pelos prospetos das agencias de viagens e pelas revistas da especialidade?

Esta ilha e o nosso concelho merecem uma promoção cuidada, inteligente e eficaz.

No turismo, como indústria de lazer, a carolice e a boa vontade já não chegam para convencer os potenciais visitantes.

O mercado tem as suas regras e rege-se por critérios publicitários bem conhecidos e caros que surtem efeito quando utilizados em campanhas.

Exige-se de todas as entidades envolvidas: operadores, empresários, organismos públicos e privados e até dos lajenses que apostem, decididamente, nesta actividade, inovando, criando e promovendo actividades relacionadas com a actividade do whale-watching que deve ser muito mais do que uma simples ida ao mar para observar baleias e golfinhos. Só isto é pouco. Muito pouco.

O investimento na recuperação de botes e de lanchas baleeiras não pode nem deve destinar-se APENAS a regatas a remos e à vela ou a campeonatos regionais, inconsequentes.

Os botes e as lanchas podem e devem ser utilizados para passeios com os visitantes, acompanhados de animadores que recordem a história e as estórias da baleação.

O Museu só não chega quando há botes e baleeiros ainda vivos.

Com franqueza! Parece que temos medo de dizer que no Sul do Pico e nesta terra foram arpoadas centenas de baleias, transformadas em óleo e que a caça era feita em botes e lanchas que ainda navegam. Não somos menos ecologistas ou ambientalistas, por isto.

Não tenhamos medo de um passado que nos orgulha e que devemos dar a conhecer, o melhor que saibamos, a quem nos visita. É essa partilha de vivências que pretende quem nos visita e que torna esta Ilha singular na exploração dos mamíferos marinhos.

publicado por sim às 18:29

só a campanha VisitAzores com vôo incluído trouxe aproximadamente 35 dormidas ao Pico, durante a época baixa, não foi um sucesso?! continuem a gastar milhões com estas campanhas...
anonimo a 8 de Abril de 2011 às 17:26

Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
23

24
25
26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

eXTReMe Tracker
pesquisar
 
blogs SAPO