Vila Primeira da Ilha do Pico. Vila baleeira dos Açores. Mar e Terra cruzam-se numa História de 500 anos.

21
Jun 06

As obras de recuperação das caldeiras no Caneiro estão paradas há anos. Pretendeu-se - e bem! - restaurar os "campos" das companhias das Senhoras e dos Serrafilhas, onde se derreteram até 1948/49 as baleias trancadas nas Lajes, mas não se concluíu a obra.

O local, como espaço museológico, deve ter painéis, com documentação fotográfica e informação sobre o processo artesanal de produção do azeite de baleia, desde a sua chegada até à recolha do óleo em barris.

É mais um chamariz para milhares de forasteiros que ali tomam o barco para a observação de cetáceos, sobre as funções dos utensílios e equipamentos recuperados. Como está, presentemente, dá um ar de abandono.

Falta tanto pouco, para acabar este projecto que testemunhará a história da baleação nesta Vila. No primeiro dia de Verão, propomos que a Câmara retome os trabalhos com vontade de terminar.

Ver foto em http://lajes.blogspot.com

 

publicado por sim às 10:03

De facto, trata-se de mais uma "obra" tosca, à semelhança dos seus reponsáveis, para quem o que importa é fazer qualquer coisa, não importa o quê, apenas com princípio (sem princípios), mas sem meio nem fim... É pena...que assim continue...
ao sul a 21 de Junho de 2006 às 11:06

Se tivessem elaborado um projecto, poderiam ter candidatado as obras a apoios comunitários, que os há, para o efeito.
Assim, o projecto ficou na cabeça de um iluminado que o não passou ao papel. Então, é mais uma obra de Sta Engrácia, como outras que este blog já denunciou.
Mouraria a 21 de Junho de 2006 às 20:34

Alguma vez se principiou obras em qualquer ponto do concelho que tivessem princípio meio e fim num determinado tempo? Esta era uma ex cessão .......
Anónimo a 21 de Junho de 2006 às 15:11

Apesar de desconhecer os autores deste Blog, quero no entanto, dar os parabéns pela forma perspicaz que abordam temas relacionados com uma vila que adoro. Felizmente nunca tive, nem nunca cultivei, qualquer tipo de rivalidades doentias que, por várias vezes, atropelam o Pico e as Lajes. Sou das Ribeiras, mas sou, sobretudo, do concelho das Lajes do Pico! Com muito orgulho. Grandes amigos tem essa terra!

Rui Goulart a 21 de Junho de 2006 às 20:04

Boa Rui. Gostei do comentário. Todo o bom lajense deve ler este blogue, para despertar para a realidade e para a intervenção cívica.
turma S a 21 de Junho de 2006 às 20:37

Essa do Rui Goulart ter de ler um blog anónimo para despertar para a intrevenção civica tem muito que se lhe diga.
Pãocheco a 21 de Junho de 2006 às 21:21

Em Santa Cruz das Ribeiras há duas piscinas: uma grande inacabada (mas já por diversas vezes inaugurada) e uma pequena, completamente destruída. O Verão começou hoje... Será que algum autarca no poder virá cá a banhos (de pó.... claro!)? O porto de pesca é a solução ? Enquanto nadamos sempre podemos pescar ao chicharro... As obras das Lajes comparadas com as das ribeiras é como comparar um Mercedes com um burro ...
....De Génio... a 21 de Junho de 2006 às 23:09

A obra de musealização dos caldeiros não tem pés nem cabeça. Trata-se de mais uma disgracia germinada pelo ex-vereador Leonildo. O facto deste ser uma pessoa extraordinária, não lhe dá o direito de intervir a níveis aos quais não tem preparação nem sensibilidade. O buraco ali inventado não serve para nada nem é verdadeiro.
... a 22 de Junho de 2006 às 02:50

Já diz o sábio, antes uma boa ruína em vez de uma má reconstrução
bem. bem a 30 de Junho de 2006 às 16:34

Junho 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
15
16

19
20
22
23

25
27
28


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

pesquisar
 
blogs SAPO