Vila Primeira da Ilha do Pico. Vila baleeira dos Açores. Mar e Terra cruzam-se numa História de 500 anos.

28
Jan 07

A actividade cultural promovida pela Câmara, com o anúncio de filmes e de espectáculos em tudo quanto é sítio e "site", parece pretender dar a impressão de que os cidadãos deste concelho vivem com uma qualidade acima da média. De facto, não é assim! Não somos um oásis!

Sendo verdade que existe uma assinalável cultura popular, traduzida no número de filarmónicas (6), em alguns grupos folclóricos e de teatro, em manifestações de carácter religioso como o Espírito Santo, nas memórias da baleação traduzidas no entusiasmo em torno das regatas de botes baleeiros, nas folgas, bailes e até nos tradicionais convívios das matanças dos porcos, o certo é que a população do concelho vive consciente da importância de se revitalizar a actividade económica para se fixaem os jovens escolarizados. E perante este grave problema não há cultura que resista.

Vem isto a propósito da polémica, injustificada e teimosa decisão da Câmara em construir um Teatro onde vai dispender uma assinalável verba do seu orçamento, quando deveria destiná-la a outros investimentos reprodutivos.

Nunca é demais repisar este tema, para alertar os lajenses e os cidadãos deste concelho. Os investimentos em curso ou realizados: Recuperação do Castelo de Sta Catarina, recuperação da Fábrica da baleia das Lajes, construção do campo de futebol e a construção da piscina das Ribeiras, são exemplos elucidativos de que os responsáveis municipais importam-se mais com as luzes da ribalta e da sétima arte, com a poesia, com a estética, do que com o penoso quotidiano que se vive em caminhos e canadas íngremes e esburacados, com as dificuldades dos idosos que sobrevivem com magras reformas, ou com os lavradores, operários e pescadores que, numa azáfama incessante, retiram, contra ventos e marés, da terra e do mar cada vez mais abandonados,  o sustento das famílias.

Se os eleitos, que no poder usufruem de benesses que antes não detinham, reflectissem bem na vida do concelho e dos seus eleitores e os auscultassem sobre o que pretendem do seu futuro, certamente, arrepiariam caminho e gastariam o dinheiro de todos nós, com mais parcimónia e mais eficácia.

publicado por sim às 22:32

Reformas e outras mais julgo que são da responsabilidade do Governo e não da Camara e
será que só esta camara é que não faz o que os da oposição querem? E o vosso Governo Regional que está a esbanjar dinheiro em S.Miguel com as portas do mar que não resistiram a um supro de vento? Não será deitar dinheiro ao mar conforme afirmou um secretário em relação à defesa da vila das Lajes?
A doca e futura marina embora necessarias não são a defesa da vila. O bloguista importa-se com isso? Então pomha a defesa em discusão e colabore.
Lajense de longe a 29 de Janeiro de 2007 às 00:28

Percebe-se que esteja longe...

Aquilo que os Lajenses exigem da Câmara é uma aplicação responsável e criteriosa dos dinheiros públicos.

Como lajenses devemos exigir que os responsáveis autárquicos façam o melhor pela nossa terra e sem esquecer aqueles que cá vivem todo o ano.

Do governo espera-se outras coisas, como seja um aeroporto em condições, boas estradas, um hospital, novas escolas, etc... E olhe que muitas delas estão feitas, ou em vias de se fazerem...

Agora é evidente que estando a população mais próxima da Câmara as expectativas sejam muito maiores. E pelo que se vê existe uma desproporção evidente no investimento público na área da dita "cultura" quando comparada com outros domínios.

É isso que se critica! E com muita razão!!!
Anónimo a 29 de Janeiro de 2007 às 12:14

Equanto tivermos uma Câmara gerida sob os interesses de um tal de Senhor Carlos Alberto Machado não vamos a lado nenhum.
É que Sara Santos não faz nada sem o aval do Chefe. Custa a crer mas é verdade. Se pensarmos bem são dispendidos milhares de euros por ano com coisas que directa ou directamente estão ligadas ao Chefe.

Pergunto: quando é que é feita uma investigação séria a esta situação? Porque é que a polícia judiciária só se interessa pelos grandes centros? Basta ver o que se está a passar na Câmara de Lisboa...
Anónimo a 29 de Janeiro de 2007 às 09:51

Apesar de encontrar alguma razão em parte dos assuntos focados, criticar a recuperação do Castelo levada a cabo pela Câmara no ano passado, parece ser muito injusto.

É a melhor obra que já vi em toda a região; faz parte da cultura da vila e como já vi que também está de acordo, deve a Câmara valorizar o património e a cultura local.
Anónimo a 29 de Janeiro de 2007 às 10:36

A PRESIDENTE SARA SANTOS NÃO MANDA NADA,SÓ AUMENTA A SUA CONTA BANCARIA,ENQUANTO CÁ FOR APARECENDO O C.A.M.-SEU CHEFE DE GABINETE.PORQUE É QUE A POLICIA JUDICIARIA SÓ INTERVEM NO CONTINENTE ,É QUE NÓS TAMBÉM SOMOS PORTUGUESES.
Anónimo a 29 de Janeiro de 2007 às 16:54

Será que alguém já apresentou queixa formal ao ministério público? Ou alguma força política já fez a denúncia? Seria do máximo interesse que talk acontecesse pois as pessoas têm direito ao seu bom nome, enquanto não houver prova em contrário. E até agora a justiça não levantou a questão, nem julgou a (i)legalidade da decisão de Sara Santos.
Seria bom acabar com estas suepeitas de uma vez por todas pois a dúvida não reverte a favor de ninguém nem da Câmara nem da oposição.
mouraria a 29 de Janeiro de 2007 às 18:31

Ao governo cabe outras coisas...
e a defesa da vila a quem cabe?
O abandono da vila não é de agora. O que fizeram todos os Presidentes de Camara que por lá passaram? Nada, porque não representa votos.
São poucos os votantes e por isso é a tristeza que se vê. Só com o arranjo da orla é que se poderá dar à vila a dignidade que merece, além de mais descanço, no inverno ,aos que lá vivem e não aos que residem nas redondezas. Talvez por isso é que o assunto da defesa da vila não lhes interesse ou não será assim?

Meu caro,

Não veja as coisas dessa forma. Nem só de votos vive o homem e olhe que existe aqui pelas Lajes muito boa gente que tem feito a sua vida sem precisar de ir a votos... ou embarcar rumo a outras paragens...

A Vila atravessa o estado decadente que todos vemos por causa dos políticos dos últimos anos (décadas) e nisso estamos de acordo!

Políticos locais que sempre se preocuparam em dividir as populações e fomentar provincanismos inúteis, nivelando pela mediocridade tudo o que por aqui é feito.

Qualquer político que tivesse um pingo de inteligência saberia que estando a Vila mal, todo o concelho vai por arrasto.

A protecção da orla é fundamental ao desenvolvimento das Lajes, também nisso estamos de acordo. Agora ver isso como a galinha dos ovos de ouro é demasiado redutor... e diminuir clamorosamente o papel que a Câmara Municipal deve ter na condução dos destinos do concelho.

Para que serve então Sara Santos e a sua tropa de generais continentais?

Agora acreditar que o
Anónimo a 29 de Janeiro de 2007 às 21:38

CAM ainda tem dois anos para mamar; coleccionar milhas da TAP quatro vezes por mês (às sextas e terças) e com jeito ainda vai pôr em marcha aquele mamarracho do teatro, sacando comissões e regalias. Em dois anos a revista Ma(g)ma irá para as bancas quatro vezes...Poesia de ponta

Vai uma aposta!

Anónimo a 30 de Janeiro de 2007 às 14:10

E o referendo do Hernâni Bettencourt?
Anónimo a 30 de Janeiro de 2007 às 19:04

É bater em ferro frio.
Mas o Hernâni ainda pensava que alguma vez os membros do PSD da Assembeia ia aprovar a realização de um referendo???
Eles só fazem o que a Presidente pede.
Mas de todo modo fica o gesto e a intenção deste jovem que se preocupa e tem ideias válidas.
Estou contigo Hernâni. Essa ideia de um teatro não passa de uma anedota sem pés nem cabeça.
lajesempre a 31 de Janeiro de 2007 às 11:19

Julgo que seria bom pôr a circular um abaixo-assinado contra a construção AGORA de um novo teatro. Nesse abaixo-assinado deveria também lançar a questão da realizaç~ºao do referendo sobre a construção desse bunker.
Quem avança com esta ideia????????????
Força. Estamos aqui para apoiar.
o gestor do blog a 31 de Janeiro de 2007 às 13:41

Um abaixo-assinado até era excelente ideia se as pessoas pudessem falar livremente e sem medos. Mas são poucos que o fazem aqui nas Lajes. Pelo menos de maneira aberta. É que são capazes de dizer cobras e lagartos de Sara Santos e do Chefinho mas quando estão com eles até o chapéu tiram...
Tenho quase a certeza que se existisse um abaixo-assinado a circular eram muitos poucos em condições de subscreve-lo. Infelizmente.
Mas em todo o caso se alguém tomar iniciativa cá estou para assinar por baixo.
Manel da Vila a 1 de Fevereiro de 2007 às 09:59

Se o Hernani não estiver consigo quem estará?
burro da ladeira a 31 de Janeiro de 2007 às 14:56

Não vale a pena um referendo acerca deste mega teatro poruqe a Câmara jamais terá dinheiro para o construir. Ainda ontem um construtor com muita experiência dizia num circuito privado de amigos que 1 milhão de contos não paga aquele devaneio.

O tetro e as mil ideias do chefe vão morrer por si mesmas
Anónimo a 31 de Janeiro de 2007 às 15:56

Só é pena que os senhores membros do PSD da Assembleia Municipal não tenham permitido que a voz fosse dada ao povo.
A Democracia só tinha a agradecer.
Tiveram medo de quê? Que as pessoas mostrassem o seu veemente repúdio pela forma como os destinos das Lajes estão a ser conduzidos?
Ou que o referendo resultasse num redondo NÃONÃONÃONÃO?
A decisão ficou tomada.
Quer se faça Teatro, quer este nunca chegue a ser feito, aqueles senhores do PSD, são já cúmplices do ambiente de podridão a que o poder político das Lajes do Pico chegou com a tomada da Câmara pelo Senhor Chefe, aquele que é legítimo marido da Senhora Presidente.
Arrife a 31 de Janeiro de 2007 às 20:42

Mas quem são esses membros do PSD da Assembleia?
Anónimo a 1 de Fevereiro de 2007 às 10:37

São os mesmos que há anos e anos ocupam e dançam pelas cadeiras da câmara e da assembleia municipal.
o Senhor Leonildo (antigo vereador), o Senhor Urbano (antigo Presidente da Câmara), o Senhor Jorge Jorge (antigo ????), etc.. etc..
Anónimo a 1 de Fevereiro de 2007 às 19:28

O PSD consegui pôr a brigada do reumático toda para a Assembleia Municipal e assim Sara Santos teve a oportunidade de se rodear da experiência e sabedoria de dois novos vereadores cheios de conhecimentos e com um vasto corriculum profissional, ao mesmo tempo que permitia ao marido ser seu Chefinho, ausente é certo. Mas isso não interessa. E do PSD Pico, do "grande" e "saudoso" Cláudio Lopes, nem uma palavra!!!!!
Picaroto do Pico a 2 de Fevereiro de 2007 às 10:02

esse Jorge Jorge é o JAJ?
Aquele blog dele.... "diz que é uma espécie de apêndice da Câmara". A agenda cinematográfica dos filmes escolhidos pela tropa do chefe e amigos de évora.
Anónimo a 3 de Fevereiro de 2007 às 23:41

Mas você queria que ele divulgasse que filmes, os da Terceira de São Miguel? ou os que você vê em casa?

Vou sugerir-lhe que divulgue o filme de um avião cheio de amigos a caminho de macau pago pela CMLP do Paulino. Será que ninguém filmou?
Anónimo a 4 de Fevereiro de 2007 às 19:31

Nao vê que o JAJ tem de agradar ao chefe!!!! Pode ser que a Sara lhe deixe algumas migalhas e o convide a integrar a Empresa Municipal. É que os amigos continentais já começam a escassear.

Pactuar com a gestão de Sara & Chefe e não perceber isso... não sei o que é mais grave??????
Anónimo a 5 de Fevereiro de 2007 às 10:01

Desculpe amigo,

quem são os amigos de Évora?
Maria da Ingenuidade a 5 de Fevereiro de 2007 às 14:36

Évora? Mas quem falou em Évora????

Tenho dúvidas que V. Exa. seja assim tão ingénua!!!
Anónimo a 5 de Fevereiro de 2007 às 21:24

Parabéns Hernâni Bettencourt pelos seu pertinente artigo publicado a 25 de janeiro no Jornal O Dever.
Só não o entende quem não quer...

Sou um pouco anti-referendos populares mas neste caso faria todo o sentido. A população das Lajes quandou foi a votos ainda não existia a figura do chefe nem um volume tão grande de investimento como este teatro.

Sara e seu compincha jamais terão a coragem política para referendar este assunto pois o resultado seria inevitável.

Em todo o caso e, como algúem já aqui disse, o chefe e o teatro têm os dias contados.
Anónimo a 1 de Fevereiro de 2007 às 15:00

Mas vocês ainda sonham que tal monstruosidade irá ser construída ?!
Ponto 1 - Tal como foi referido, em termos monetários, estamos a falar de um empreendimento que a câmara jamais arranjará dinheiro para que o edifício se erga.
Ponto 2 - Isto não é mais do que uma forma de a "nossa" câmara dar mais uns trocos ao nosso chefinho , pois este recebe 10% do total do valor do projecto (tanto deste como de todos os outros) pois a empresa encarregue do projecto , já todos nós sabemos qual é! E consta que o dito arquitecto encarregue do projecto é tão competente que nem conseguiu acabar o projecto a tempo de possibilitar que este pudesse concorrer a fundos comunitários . Ponto 3 - Não menciono valores apenas e só para que a população não vá queimar o "convento", mas uma coisa vos digo, indignação e revolta pela nossa parte não deveria ser o ponto final nesta discussão, mas se as autoridades competentes são incapazes de agir o que restará a fazer para pessoas de bem como (alguns) de nós o são?! Incompetência aliada a corrupção foi este caminho ao qual Sara Santos nos condenou a caminhar.
Anónimo a 4 de Fevereiro de 2007 às 11:48

Estas acusações são muito graves, mas por que deixa tanta reticência? por que não explicita melhor as informações que refere? Tem receio ou acha que não tem a certeza toda? Era bom que soubessemos quais os actos de currupção...
Mouraria a 5 de Fevereiro de 2007 às 23:05

já alguem parou para pensar que a solução para a lepronia é enchurrar isso tudo
voçês é que elegem os politicos, os presidentes de instituições,...ninguem nem nada presta???
picx a 9 de Fevereiro de 2007 às 17:45

A certeza sei que a tenho, e o tempo dar-me-á razão..
Anónimo a 11 de Fevereiro de 2007 às 16:49

Janeiro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
13

14
16
17
18
19

21
22
24
25
27

30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

pesquisar
 
blogs SAPO